domingo, 7 de novembro de 2010

Os medos

Eu conheço gente com todo tipo de medo. Cada um mais bizarro que o outro, conheço gente que tem medo de ficar pobre, gente com medo de bicho papão (geralmente crianças, pelo menos eu penso), gente com medo de morrer jovem, gente com medo de ir para o inferno, de não conseguir um diploma, de animais peçonhentos, de ser assaltado, de altura, de sofrer por amor e... milhares de outros medos.
Não pesquisei o que significa a palavra medo, mas eu sinto, então eu sei o que significa se não soubesse não teria sentido essa palavra pra mim... porém, tem.
A minha falecida bisavó, conhecida por mim de "Vó Matilda", tinha medo de ficar velha, da sua pele ficar com rugas, de não ser mais cobiçada como antes... porém aconteceu, ela envelheceu. Ela nunca se conformou com a velhice. Eu  me lembro de um dia que a gente ia deixar champagne na lixeira, como um presentinho de Natal para o lixeiro.. eu me lembro que a minha bisavó estava em casa, e comentamos que iríamos colocar o champagne lá, ai ela disse:
- Tem uns lixeiros tão bonitinhos lá em Araçatuba.
Minha irmã ouviu isso e disse:
- Então Vó quer que eu te arrume pra dar o champagne pra eles pessoalmente? (rindo)
Então minha Vó Matilda disse:
- Tá bom então, pode me maquiar.
Minha irmã adora essas coisas, quando era pequena andava toda maquiada na rua, até demais para a idade que ela tinha. Foi muito engraçado esse dia, eu lembro que pensei, a minha vó deve estar muito desesperada mesmo, nada contra os lixeiros, mas no exercício da profissão é complicado o negócio não é?!
E elas foram lá entregar o champagne. Mas minha bisavó nunca se conformou com a velhice, ela era inconformada porque quando ela era jovem ela era muito assediada, por ser muito bonita, minha vó diz que ela tinha os cabelos de uma índia, tinha bonitas formas corporais, era muito bela mesmo. Mas existem coisas que não voltam, as vezes não é por sentir medo, ser prudente, que você pode evitar algo.
Minha bisavó morreu, com quase 90 anos de idade, ela conviveu com as rugas, mas eu posso dizer que ela foi uma das pessoas mais divertidas que eu conheci, apesar de não gostar de estar velha, ela viveu, eu lembro que ela ia á bailinhos e tinha suas amigas. Ela derrubou seu gigante e viveu como queria.
Eu tenho muitos medos, cada época eu tenho um.. o que eu tenho mais medo no momento é de  escolher o caminho que me leve a infelicidade, infeliz de fato nunca vou ser, porque mesmo que eu perca tudo se Deus ainda continuar me amando ainda serei feliz.
Mas tenho medo de não ser feliz no casamento, no trabalho, e em várias outras coisas, eu não quero ter surpresas, por isso eu tento me preparar pra qualquer desventura que possa me ocorrer, é estranho falar isso, mas é a minha verdade nesse momento. Não confunda com falta de fé, eu tenho muita fé em Deus e nas suas promessas, mas a nossa vida não é uma constante como em algumas equações, a vida não pode ser uma equação, não tem como encaixar numa equação, e mesmo se desse, seriam infinitas as variáveis.
Nós devemos nos preparar para enfrentar nossos gigantes ou "medos", por que cedo ou tarde, ou talvez nunca, eles vão vir á tona.

Imagem